Espaço em Branco

22/07/2009

Racismo no Brasil

Filed under: Sem categoria — 1988anapaulapinto @ 2:40

debret

debret2

 

Fico impressionada como ainda o racismo é forte no Brasil. E não adianta me dizer que no Brasil não tem essa, que somos todos iguais, que o Brasil é mestiço porque conforme a ocasião o racismo se mostra bem presente.

O que eu acho de agravante no “nosso” racismo, é que aqui a coisa corre de forma hipocrita,velada. Nos E.U.A por exemplo o inimigo se mostra de forma mais clara, é de fácil indentificação e quando o inimigo é visivel é muito mais fácil combatê-lo.Aqui, pessoas que se dizem próximas, amigas podem esconder um sentimento racista, mas não revela ou apenas insinua, para “não pegar mal”.

Senão vejamos. Quando se entra em pauta o assunto “cotas” por exemplo(ação afirmativa não sou 100% favorável, mas acho importante), ou a Revista Raça Brasil(revista de comportamento direcionada para os negros) vem um monte de gente dizendo que isso sim é racismo, que isto é um absurdo e que não faz sentido porque somos miscigenados, o negro está se excluindo. Acontece que nunca vi essas mesmas pessoas com “dificuldade” para diferenciar um negro de um branco quando estranha o mesmo entra uma loja mais sofisticada, ou quando um aparece do seu lado e aperta a bolsa com medo de ser assaltado, ou quando ficam preocupados quando o filho(a) aparece em casa com o namorado “de cor”.E as mesmas pessoas que reclaman da Revista Raça porque só colocam na capa personalidades negras, nunca vi as mesmas reclamando da Revista Nova, que em 30 e tantos anos nunca colocou uma modelo negra na capa.Ou da lendária Vogue que só foi colocar uma modelo negra na capa nos idos dos anos 90.

Não estou dizendo que o negro é coitadinho, até porque não acredito nisto.Mas jogar a culpa para o nosso lado, dizer que nós é que somos racistas enquanto apenas estamos lutando por igualdade e mesmos direitos, sorry, esta eu não engulo.O pior é que tem muitos negros que caem nesta lorota.Já vi muito “tiziu”, “tição” se auto proclamando moreno claro e culpando o sol pelo tom escuro da pele.Sem contar aqueles que não se relacionam com negros com a esperança de clarear a família.Mal sabe ele que a Africa está arraigada no Brasil até o talo.Aliás este tipo não deve nem saber a história dos antepassados dele, geralmente são pessoas completamente ignorantes e alienáveis e sem um pingo de personalidade.Diferente dos negros americanos, que podem até ser bairristas(e são) mas tambem são extremamente unidos e engajados. Resultado: Negros bem sucedidos em todas as esferas da sociedade, inclusive um presidindo o país deles.

Voltando a “elite” branca hipócrita, sinceramente tenho pena deles.Se soubessem que seus antepassados europeus que se orgulham tanto vieram para cá tão miseráveis quanto os escravos africanos, com certeza reveriam os seus conceitos.E se também soubessem que na europa TODOS NÓS não passamos de latinos, gentinha de terceiro mundo, sentiriam vergonha de seus atos.Aliás morro de rir quando vejo esse povo barrado nos aeroportos europeus por puro preconceitos do povo de lá. Todo mundo com cara de bunda e com a malinha na mão de volta para a Terra Mãe.Como diz o ditado: Malagueta no c$# dos outros é Tang Uva.

Tambem não sou à favor de fanatismo que alguns movimentos negros defendem, como por exemplo, não alisar o cabelo e se vestir como se estivéssemos vivendo na Africa. Não acho que seja por aí. O que acho que nós deveríamos fazer é alem de se conscientizar de sua situação e não achar que vivemos  no Páis das Martavilhas que o racismo não existe, é não abaixar a cabeça jamais. Jamais posar de coitadinho e driblar de forma mais honesta possível as barreiras que são postas.É só o que nos resta, já que o racismo é algo que infelizmente vai perdurar por muito tempo.

Anúncios

2 Comentários

  1. É muito bom discutir esse assunto sem hipocrisia, por que nesse país os brancos estão acostumados com o controle ideológico dos negros, muitos negros não têm orgulho de si mesmo, não tem expectativa nenhuma na vida parecem que ainda são escravos tem alguns estigmas que não foram criados por eles mesmos e o pior, não enxergam o que está por trás disso tudo, alguns de nós fomos programados e tratam mal os semelhantes isso é simplesmente uma criação branca. Por que nós somos obrigados a ver protagonistas brancos nos filmes e novelas (desenhos animados também) e os negros são empregados fofoqueiros e as vezes de mau caráter, porque as mulheres negras são obrigadas a alisar os cabelos, por que quando nós mantemos nossa características naturais (cabelos crespos, nariz não finos,variantes culturais) como elas são por si mesmas somos coagidos, a polícia mata negros (alguns são inocentes).
    Nesse país não é tudo lindo não. E quando o negro para de acreditar que tudo é lindo e perfeito e que é só teoricamente que “somos todos iguais” começa a ameaçar o domínio social, econômico e ideológico.
    Nessa sociedade existem espaços de presença “monocromática” onde os presentes são brancos, por que os negros não podem desfrutar de algo parecido que não sejam presídios, periferias entre outros desagradáveis eu acho que a desigualdade existente tem que ser tratada como é, não somos todos iguais!Nós não somos racistas apenas realistas e infelizmente não somos todos!

    Comentário por Samuel — 02/09/2009 @ 19:31

  2. Aninha,

    Sugiro que lute por si mesma, viu?
    Jorge Aragão, certa vez, disse que cansou de levantar bandeira, até que um dia se viu completamente sozinho e desistiu da luta.
    O Brasil é um país racista sim! Não tem essa de preconceito velado.

    Basta entrar numa loja chique para ver os olhares de espanto dos vendedores e clientes, como se o negro estivesse ali somente para roubar.
    Por outro lado, muitos negros sequer reconhecem sua origem, tendo vergonha de assumir sua real identidade.
    Não concordo com termos tais: como “marronzinho”, “moreninho”, “café com leite”, mas reconheço que realmente existem os chamados “mestiços” (indivíduos que nasceram da união de duas etnias diferentes, por exemplo, do negro e branco.
    Neste caso, não são brancos, nem negros. São mestiços, na minha opinião.

    Também quando me deparo com gente ridícula, do tipo “preta tizão” que adora tomar sol na piscina (aqui no meu cond tem uma), fico morta de vergonha!
    Assim como fujo dos negros radicais que ousam dizer: “Quem alisa o cabelo, realiza rinoplastia ou se relaciona amorosamente com branco (a) nega a raça.”
    Os mesmos, creio eu, não andam seminus por aí, muito menos vivem em cabanas de palha com arco e flecha nas mãos…
    Um bando de hipócritas!

    Descedentes de imigrantes europeus que olham com cara e bosta para os negros…
    Fofis de Deus!
    Lembrem-se que antes de cuspir no prato alheio, limpem bem os seus primeiramente. Tomem tb Memoriol para ativar vossas sagradas memórias que devem estar completamente apagadas.
    O passado sofrido de seus antepassados aqui na terrinha por pouco quase não chegou perto do flagelo dos escravos negros.
    No filme Milagre em Santa Ana, há uma cena onde um oficial alemão da SS, diz ao outro o seguinte sobre os italianos: “O que podemos esperar de um povo que amassa uvas com os pés?”

    Longe de parecer preconceituosa, Deus me livre!

    Só lembrando que ninguém escapa. Mas em vista de todos as etnias, o negro é o mais odiado e reprimido.

    Todos os povos dizem que são perseguidos por uma coisa ou outra, mas esses mesmos povos também nutrem preconceito contra os negros.

    Comentário por Nadja Prado — 26/07/2009 @ 5:12


RSS feed for comments on this post.

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: